Projeto Sabor e Poesia aborda poemas de Paulo Leminski

Para dar início aos preparativos da 6º Feira do Livro de Cruz Machado e apostando na importância do hábito da leitura, a Secretaria Municipal Educação e Cultura lança a 2ª Edição do Projeto: Sabor de Poesia. O projeto é simples e inspirador, pois as pessoas poderão encontrar em seu cotidiano um “pacote” com poesias em locais estratégicos em nossa cidade. E nesta 2ª Edição a escolha foi pelo escritor Paranaense Paulo Leminski.

Sabor de Poesia

A poesia comunica com a alma. Não precisa ser entendida. É para ser sentida, degustada, nos transpassa como os perfumes que nos levam aos céus. Não é preciso ser químico para saber os elementos que compõem as estruturas de seu aroma. Dispensa conhecimentos prévios de métrica ou rima, de melodia. O poema eleva, transcende a outros estágios, um elemento de bem-estar. Uma lição de como viver bem. O alimento para nossa sensibilidade. O mantra para despertar nossa calma e nos fazer bem. Ele entusiasma, colore, espanta as dores do peito. Ela tem o poder que amansa os loucos e cura os doentes de amor. Seu perfume deve ser espalhado aos quatro ventos, deglutidos no café da manhã, incorporados a todos os momentos. A poesia traz a luz que falta ao mundo, ela completa nossas expectativas, alivia a pressão. Ela também pode ser encontrada fora do texto. Em um lindo amanhecer, na lua cheia vista da janela, sentida na brisa da madrugada. Na flor que dança ao vento, no vestido que camina pela rua, no sapato embaixo da cama. Os poemas esperam estão em tudo. Se não tivermos poesia a vida perde a graça. Os homens perdem a esperança. Nos esquecemos de olhar para o céu e de sentir saudades. É como deixar de respirar por um instante infinito, sua falta nos entristece os corações.

 

Paulo Leminski

Paulo Leminski nasceu em Curitiba, em 1944. Foi poeta, romancista, tradutor, compositor, biógrafo e ensaísta, além de faixa preta em judô. Paulo Leminski foi um filho que sempre chamou a atenção por sua intelectualidade, cultura e genialidade. Estava sempre à beira de uma explosão e assim produziu muito. É dono de uma extensa e relevante obra. Desde muito cedo, Leminski inventou um jeito próprio de escrever poesia, preferindo poemas breves, muitas vezes fazendo haicais, trocadilhos, ou brincando com ditados populares. É autor de Distraídos Venceremos, Catatau, Bashô, entre outras obras. A música estava ligada às obras de Paulo Leminski, uma de suas paixões, proporcionando uma discografia rica e variada. Suas composições foram gravadas por diversos artistas, entre eles Caetano Veloso, Ney Matogrosso e Itamar Assumpção. Morreu em 7 de junho de 1989.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *