Cruz Machado uma Potência em se Tratando de Erva-mate

O Município de Cruz Machado é referência no País por conta da produção e da qualidade da erva-mate. São nove ervateiras que beneficiam a planta, transformando-a em um produto requintado, pronto para ser degustado pelos amantes do chimarrão.

Rodeado de montanhas, numa altitude acima de 800 metros, rodeada de lagos, com temperaturas amenas e com a umidade relativa constante, o município de Cruz Machado produz a erva-mate com mais aroma e muito mais sabor, zelando pela qualidade da produção e manejo.

Cruz Machado sem dúvida alguma é o maior produtor de erva-mate sombreada do Estado do Paraná, destacando-se não somente pelo volume produzido, mas pela qualidade na produção da matéria-prima.

Os maiores produtores do Sul do Paraná, são os municípios de Cruz Machado, São Mateus do Sul, Bituruna, Inácio Martins e General Carneiro. Con­forme dados do governo do Paraná (2017), na região existem 75 erva­teiras cadastradas junto à Secre­taria de Abastecimento do Paraná (Seab) que geram 1520 empregos permanentes e 635 temporários.

O levantamento da produção no Município de Cruz Machado no Ano de 2017 chegou a 85.000 Toneladas de erva-mate em folhas verdes, conforme apresentada pelo Departamento de Economia Rural – DERAL. A Erva-mate no município de Cruz Machado representa 24% do VBP – 2017 (Valor Bruto Produção).

Apesar deste levantamento, os produtores sabem que alguns gargalos impedem um maior desenvolvimento do setor ervateiro, entre eles, a baixa produtividade, os entraves representados pela legis­lação ambiental, o excessivo rigor das normas trabalhistas, a falta de produtos químicos registrados no MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), as deficiências de organização na cadeia produtiva e também na assistência técnica.

A erva-mate é hoje reconhecida como um alimento além de ser tradicionalmente empregada na medicina popular para diferentes funções na saúde, e por ser uma planta de composição química complexa, além das atribuições que apresenta, têm sido um alvo atual de novas descobertas, indicadas pelas pesquisas científicas da área de nutrição.

Atualmente, pesquisadores têm trabalhado no sentido de esclarecer a composição química da erva-mate e alguns desses estudos têm procurado relacionar compostos específicos a determinadas propriedades. Diversas evidências têm demonstrado que a erva-mate contém substâncias bioativas, as quais têm recebido especial atenção da comunidade científica. Cafeína, ácidos fenólicos e flavonóides são as principais substâncias encontradas nesse produto. Segundo evidências atuais, os compostos fenólicos contribuem para os benefícios de saúde quando associados com consumo de dietas rica em frutas e verduras.

A atividade antioxidante destes compostos é devida principalmente às suas propriedades de óxido-redução, podendo assim absorver e neutralizar radicais livres. Outras evidências atuais têm apontando que a bebida preparada com erva-mate contém flavonóides encontrados nas folhas secas do Ilex paraguariensis. Em geral, os flavonóides constituem 20 à 40% da composição da erva-mate, são solúveis em água, incolores, e são responsáveis pelo gosto adstringente do mate. A quantidade presente é variável dependendo de condições climáticas como solo, idade das folhas, tempo de temperatura de infusão, relação massa de erva/ volume de água e ainda a presença de outras llex que são adulterantes.

Alguns dos aminoácidos que podem aparecer na erva-mate são ácido aspártico, ácido glutâmico, glicina, alanina, triptofano, cistina, arginina, histidia, lisina, tirosina, valina, leucina, isoleucina, treonina, metionina e asparagina. A presença de ácidos graxos insaturados derivados dos fosfolipídios é significativa na geração do aroma da erva-mate. Os principais ácidos graxos são os ácidos palmítico, oléico, linoléico, esteárico, araquídico e palmitoléico. E importante lembrar que os ácidos graxos têm função energética e participam fundamentalmente da síntese de lipoproteínas e de alguns hormônios, além de alguns estarem associados à ação antioxidante. É importante ressaltar que a bebida pronta preparada com erva-mate contém traços de ácidos graxos, não podendo ser considerada uma fonte deste nutriente. Entre as vitaminas presentes na erva-mate temos a vitamina C (ácido ascórbico), a vitamina B1 (tiamina), a vitamina B2 (riboflavina), o ácido nicotínico, a vitamina A, o ácido fólico e também derivados do ácido pantotênico. Os teores vitamínicos dosados na infusão ficam reduzidos, na melhor da hipóteses, a cerca de 1/30, quando comparado com a erva-mate, que não é a porção comestível do produto.

Estudos mostram que a erva-mate traz benefícios à saúde por conta de suas funções orgânicas. Os principais componentes da planta atuam como auxiliadores em dietas, como diurético, digestivo e também ajudam no tratamento da fadiga funcional. Segundo um estudo feito pela Universidade Feevale de Novo Hamburgo (RS), o mate, além de estimulante, também faz bem ao coração. O trabalho mostra que o uso diário de cem gramas da erva-mate pode causar a diminuição de 29% dos níveis de colesterol e de 62% nos triglicerídeos, afastando os riscos de problemas cardíacos. O mate também contém sais minerais, antioxidantes, auxilia na regeneração das células e estimula a atividade física.

Assim, o consumo da erva-mate pode agregar importantes substâncias antioxidantes à alimentação humana, as quais podem representar uma nova abordagem na inibição dos danos provocados pelo excesso de radicais livres. Tendo em vista que os indícios científicos se mostram favoráveis ao consumo deste alimento, e ainda por facilidade de consumo em função da palatabilidade, versatilidade e valor calórico, o consumo regular da erva-mate pode ser estimulado como parte de uma dieta saudável, e sua inclusão na alimentação deve ser incentivado por profissionais da saúde.

Para saber mais sobre CRUZ MACHADO A POTÊNCIA CHAMADA ERVA-MATE, baixe o CADERNO ESPECIAL do Jornal O COMÉRCIO, de quinta-feira 08 de novembro de 2018 no link abaixo:

Caderno Erva-mate

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *